terça-feira, 3 de julho de 2018

RESENHA LUNÁTICA: BORBOLETAS NA JANELA


LIVRO: BORBOLETAS NA JANELA
AUTORA SINÉIA RANGEL
EDITORA COERÊNCIA
RESENHA POR VANIA FREIRE

SINOPSE

Miguel Barcellar não esperava que o passado fosse invadir seu escritório, vestindo uma saia lápis, saltos Luiz XV, batom carmim e com um segredo que mudaria a sua vida. Há cinco anos ele se tornou pai. Em alguma parte do mundo, havia um filho que ele nunca conheceu, um garoto que foi entregue para adoção logo após o nascimento. Leon cresceu entre abrigos e lares temporários, até que conheceu Elena. Com histórias de vidas parecidas, foi criado um vínculo de irmãos e uma promessa: nunca abandonariam ao outro. E quando essa promessa parece impossível de ser mantida, o destino faz a sua mágica. Pais e filho se encontram. Uma família conta a sua história. E as borboletas voam.


RESENHA DA BLOGUEIRA

Logo de início vou dar um alerta!
 Antes de começar a ler esse livro, inspire profundamente e se prepare para ser arrebatado por diversas emoções. 
Ah, já ia me esquecendo, leia com um lenço ao seu lado...
Em Borboleta na Janela, Sinéia Rangel consegue transbordar sensibilidade a cada página. Com uma escrita clara, delicada e envolta em uma profundidade e riqueza de detalhes que te comove e encanta. Uma diagramação linda e encantadora. O livro me emocionou de tal forma que por diversas vezes, tive que pausar a leitura e respirar fundo antes de continuar.

Logo no prólogo Borboletas te prende com uma linda, singela e ao mesmo tempo profunda amizade entre Leon e Elena...  

“ Não a aguento no colo, portando só sirvo de apoio”

Mas olha, nesse momento eu pensei: Ah, já saquei o livro todo... Ledo engano. 

A história, literalmente, estava apenas começando, logo em seguida somos apresentados a Miguel, Laura e ao seu passado que invade seu escritório de salto alto, exalando sensualidade e aos poucos a história começa a tomar outro rumo que te prende , te segura e te faz devorar cada página, com o coração na mão e olhos rasos de água.

Borboleta fala de amor, da forma mais nua, crua e desprendida de amar.

“Sinto meu estomago doer e, apesar da fome, sei que não é esse o motivo, é uma dor diferente, um vazio diferente maior e mais profundo”

Em Borboletas vimos que há laços mais fortes, que laços sanguíneos. Acompanhamos a luta de um pai para conquistar um filho, que ele descobriu a existência tardiamente e o amor de uma mulher que o amou, apesar de todas as adversidades encontradas, amou Miguel e lutou por ele e sua família.

 Acompanhamos o crescimento de Leon, um menino que apesar da pouca idade já foi muito maltratado pela vida e por fim não menos importante Elena...

Ah Elena, essa pequena e encantadora menina vai te fazer debulhar em lágrimas.

Super recomendo! Um livro lindo e emocionante.