quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

RESENHA LUNÁTICA - OUTROS JEITOS DE USAR A BOCA


LIVRO: OUTROS JEITOS DE USAR A BOCA
AUTORA RUPI KAUR
EDITORA PLANETA
RESENHA POR CINTHIA GUTIERREZ

SINOPSE

Maior fenômeno de poesia dos EUA na última década, há mais de 40 semanas no topo das listas de best-sellers. “Outros jeitos de usar a boca” é um livro de poemas sobre a sobrevivência. Sobre a experiência de violência, o abuso, o amor, a perda e a feminilidade. O volume é dividido em quatro partes, e cada uma delas serve a um propósito diferente. Lida com um tipo diferente de dor. Cura uma mágoa diferente. Outros jeitos de usar a boca transporta o leitor por uma jornada pelos momentos mais amargos da vida e encontra uma maneira de tirar delicadeza deles. Publicado inicialmente de forma independente por Rupi Kaur, poeta, artista plástica e performer canadense nascida na Índia – e que também assina as ilustrações presentes neste volume –, o livro se tornou o maior fenômeno do gênero nos últimos anos nos Estados Unidos, com mais de 1 milhão de exemplares vendidos.

RESENHA DA BLOGUEIRA

Assim que você olha o livro como um todo, a capa te chama atenção, o título te diz uma coisa, mas o conteúdo te choca de uma maneira extraordinária.

Com trechos, citações e poemas,a autora faz com que nós mulheres tenhamos uma reflexão passo a passo de como muitas vezes nos sentimos culpadas por algo que outras pessoas fizeram de errado, sentimos vergonha, nos sentimos sujas e impuras. O amor é sempre complicado por causa de nós, porém é mais fácil carregar a culpa, do que acreditar que nos decepcionamos com aqueles que acreditamos que nos amaram. Desde cedo somos condicionadas a seguir um padrão para tudo que é aceitável, amor próprio? Difícil. Estamos acostumadas a amar o outro, do que nos amar e nos aceitar, criando um amor de dentro para fora, um amor que nos faça sentir felicidade pelo simples fato de estarmos bem com o nosso próprio eu.

Uma leitura rápida, porém consegue te chocar com versos lindos, te faz refletir momentos delicados, faz você ver que pode ser tudo que quiser, basta se aceitar.

Se ame acima de tudo, o amor alheio é construído em cima do amor próprio.


Super recomendo!