sexta-feira, 2 de junho de 2017

RESENHA LUNÁTICA DOBRADINHA - PEÇA ME O QUE QUISER E TE DAREI


Resenha critica: Peça-me o quiser e eu te darei
Autora: Megan Maxwell
Editora: Suma Páginas: 580

SINOPSE

“Os anos se passaram. Judith Flores e Eric Zimmerman vivem em uma bela casa em Munique com os três filhos. E continuam tão apaixonados quanto no dia em que se conheceram. O alemão e a espanhola enfrentam juntos os desafios de criar um adolescente e de manter o desejo aceso no casamento. Apesar disso, tudo parece ir bem, até o dia em que uma mulher do passado de Eric reaparece e coloca à prova todas as certezas de Jud. Já os melhores amigos do casal, Mel e Björn, estão mais felizes do que nunca. E o advogado sonha com o dia em que a ex-tenente do Exército americano deixará de ser tão teimosa e aceitará se casar com ele. Unidos pela amizade e pelo sexo, os dois casais enfrentarão juntos as armadilhas que o destino coloca em seus caminhos. Será que o amor verdadeiro é mesmo capaz de vencer tudo?”


FABÍOLA MORGAN
“As coisas que valem a pena na vida nunca são fáceis...”
Creio que essa frase resume não só esse último livro, mas a história de Eric e Judith de modo geral. Quem me conhece ao menos um pouquinho sabe do amor incondicional que tenho pelos livros da Megan Maxwell, e por muito tempo protelei ler o livro. Estava com medo, não só por ser o último, mas por alguns fatos que rondavam minha mente que graças a Deus não ocorreram.
Caindo na obra, no começo confesso que me irritei bastante.
No começo Jud se mostra de longe aquela Moreninha louca e de língua solta, confesso que a achei passional demais e tive vontade de dar grandes sacodidas nela, mas conforme os fatos foram passando eu percebi que ela apenas amadureceu, como qualquer pessoa no mundo. Francamente depois de quatro livros (sem contar a spin-off Surpreenda-me), quatro anos de amor com Eric, quatro anos de história seria impossível que ela continuasse a mesma, ela amadureceu e o melhor é que nos momentos certos sua essência espanhola de língua solta surgia e nos fazia amá-la como sempre.
Temos em Peça-me o que quiser e eu te darei um momento bem conturbado da vida do nosso casal favorito, ou melhor, nossos casais, para mim foi uma surpresa linda a história de Bjorn e Mel continuar em paralelo. São duas histórias lindas de amor, amizade e cumplicidade e a maneira como Megan tratou tudo, conectou tudo me fez suspirar e admirá-la cada vez mais. Algo que sempre amei nos livros da autora foi a escrita simples e envolvente e nesse livro isso ficou bem evidente.
Há um fato no livro que me fez muito querer parar de ler. Parei, chorei e segui em frente, porque como autora/leitora sei que uma coisa é certa: Não importa o quão ruim as coisas pareçam, tudo se ajeita no final, e quanto mais bagunçado mais lindo acaba sendo no fim e foi isso que aconteceu, eu fico com os olhos marejados só de lembrar no quão lindo foi. Tem uma cena bem no finalzinho que para quem é fã dos livros no nível que eu sou foi/será impossível não chorar (quando ela vai na empresa falar com ele), foi um dos momentos mais lindos e de uma sacada brilhante da Megan para fechar a história, foi como fechar um ciclo de forma perfeita, começou assim e terminou assim.
Fiquei com tanta raiva dos acontecimentos, quis muito matar o Eric, eu o odiei e me apaixonei por ele a cada linha. O passado de Eric voltando com força, nossa me segurei para não jogar o livro pela janela. Flyn, deixando de ser aquele menino quase fofo dos livros anteriores para se tornar um aborrescente que quis muito estrangular e Jud mostrando que amor de mãe realmente não conhece limites me fez chorar creio que do meio até o fim.
Lindo, muito lindo, perfeito... É o livro da minha vida, é a autora da minha vida. Só tenho uma coisa a dizer a Megan (direi isso quando a vir): Peça-me o que quiser e eu te darei.

MARÍLIA LIMA

Quando eu soube que a triologia Peça-me o que quiser teria seu quarto livro pensei: "Vai ser a volta do quarteto #Fodástico " (Eric, Bjorn, Andrés e Dexter )
Porquê quando uma história chega ao fim, precisamos saber se os mocinhos vão ser "Felizes Para Sempre", e eu estava louca para ler essa belezura, mas também estava com medo da Megan lascar de vez a história, não posso mentir kkkk, Mas a autora se preocupou em não deixar a desejar em nada na história, não enrolou demais, falou de todos os seus personagens, então você consegue matar a saudade da história e não fica perdido.
O que acontece na história é que Judith quer voltar a trabalhar, mesmo com seus filhos pequenos, o que gera uma grande confusão com Eric e Flyn, seu filho adolescente que, neste livro volta muito mais rebelde que nunca, e Jud precisa se virar em mil e uma para resolver cada problema em casa, e em sua relação com "Iceman", porquê quando tudo parece estar ruim, pode piorar, com o aparecimento de "Ginebra" Ex Noiva de Eric, claro que a nossa querida Espanhola, não iria ficar de boa com essa situação não é?
E o sexto sentido dela grita dentro de si, apitando que essa tal de Ginebra, é perigo na certa, é aí que o bicho vai pegar...
Bjorn e Mel continuam as mil maravilhas, até Mel querer voltar a trabalhar, mais é lógico que seu "James Bond" particular, não aceita de bom grado essa notícia, enquanto vários acontecimentos importantes podem mudar , posso dizer que pra melhor a vida dos dois.
Um livro que te leva do amor ao ódio em décimos de segundos. O erotismo reina nessa história, claro que não podia faltar não é?. E Eric e Judith precisam mais que nunca confiar um no outro, muita força e determinação para conseguirem ultrapassar todas as barreiras, antes de finalmente conseguir conquistar seu maravilhoso "Final Feliz"!