quarta-feira, 28 de junho de 2017

LUNÁTICAS CULT - ORGULHO LGBT

28 de junho é o Dia do Orgulho LGBTI (lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e pessoas intersex), data celebrada e lembrada mundialmente, que marca um episódio ocorrido em Nova Iorque, em 1969. Naquele dia, as pessoas que frequentavam o bar Stonewall Inn, até hoje um local de frequência de gays, lésbicas e trans, reagiram a uma série de batidas policiais que eram realizadas ali com frequência. O levante contra a perseguição da polícia às pessoas LGBTI durou mais duas noites e, no ano seguinte, resultou na organização na 1° parada do orgulho LGBT, realizada no dia 1° de julho de 1970, para lembrar o episódio. Hoje, as Paradas do Orgulho LGBT acontecem em quase todos os países do mundo e em muitas cidades do Brasil ao longo do ano. Infelizmente, a perseguição, discriminação e as violências contra pessoas por causa de sua orientação sexual ou identidade de gênero – real ou percebida – não acabou. No relatório ”Making love a crime”, a Anistia Internacional mostra que em 38 países da África, a homossexualidade é criminalizada por lei, e ao longo da última década houve diversas tentativas de tornar estas leis ainda mais severas. Ativistas pelos direitos LGBTI em Uganda ainda estão lutando contra a tentativa de aprovação da chamada “Lei Anti-Homossexualidade”, que propõe até mesmo a pena de morte para o crime de “homossexualidade agravada”, e que criminaliza qualquer um que não denuncie pessoas “envolvidas na homossexualidade”. Propostas similares foram aprovadas em países como o Sudão do Sul, Burundi, Nigéria, Libéria, Mauritânia e Somália nos últimos anos. Recentemente, a Câmara Baixa do Parlamento russo aprovou um projeto de lei que torna ilegal o ativismo de lésbicas, gays, bissexuais, pessoas trans, intersex e de seus simpatizantes. “Em algumas horas, a Duma aprovou duas leis que são um testemunho da crescente limitação da liberdade de expressão na Rússia. Representam uma lamentável tentativa do governo de reforçar sua popularidade jogando com os elementos mais reacionários da sociedade russa à custa de direitos fundamentais e da expressão da identidade pessoal”, disse John Dalhuisen, diretor do Programa da Anistia Internacional para a Europa e Ásia Central.

A Coca-Cola utilizou uma expressão popular para sua campanha interna do Dia do Orgulho LGBT, celebrado nesta quarta-feira (28). A frase “Essa Coca-Cola é Fanta e daí?” foi estampada nas latinhas colocadas nas geladeiras dos 13 andares da sede da Coca-Cola, no Rio de Janeiro. Segundo a empresa, a distribuição das latinhas especiais – cujo conteúdo é Fanta Laranja – faz parte de uma ação interna dirigida apenas aos funcionários em homenagem ao Dia do Orgulho LGBT. A nova latinha de Coca causou alvoroço nas redes sociais e muitos consumidores se interessaram pelo produto. Mas a companhia não tem previsão de comercializar o produto.


O Dia do Orgulho Gay também é um reforço para lembrar a todos os gays, lésbicas, bissexuais e pessoas de outras identidades de gênero, que todos devem se orgulhar de sua sexualidade e não sentir vergonha da sua orientação sexual. Não importa se uma pessoa é heterossexual, homossexual, bissexual, transgênero, travesti ou intersex, o importante é ser respeitada como um ser humano e ter todos os seus direitos garantidos. Saiba mais sobre o significado da Homofobia. Normalmente, nesta data, são organizadas festas e desfiles pelas ruas das grandes cidades, onde os membros da comunidade LGBT e simpatizantes do movimento, se reúnem para celebrar o amor e a igualdade entre todos os gêneros. Além disso, em algumas cidades, ainda acontece a tradicional Parada do Orgulho Gay, um gigantesco desfile que chega a reunir milhões de pessoas, como em São Paulo, por exemplo. Origem do Dia do Orgulho Gay O Dia do Orgulho LGBT foi criado e é celebrado em 28 de junho em homenagem a um dos episódios mais marcantes na luta da comunidade gay pelos seus direitos: a Rebelião de Stonewall Inn. Em 1969, esta data marcou a revolta da comunidade LBGT contra uma série de invasões da polícia de Nova York aos bares que eram frequentados por homossexuais, que acabavam por ser presos e sofrer represálias por parte das autoridades. A partir deste acontecimento, foram organizados vários protestos em favor dos direitos dos homossexuais por várias cidades norte-americanas. A 1ª Parada do Orgulho Gay foi organizada no ano seguinte (1970), para lembrar e fortalecer o movimento de luta contra o preconceito. A Revolta de Stonewall Inn é tida como o “marco zero” do movimento de igualdade civil dos homossexuais no século XX.

Por que 28 de junho é o Dia do Orgulho LGBT? Por causa de uma revolta em um bar da comunidade LGBT em Nova York, nessa data, em 1969. A data foi conquistada à força, com muita luta e insistência Por Matheus Bianezzi 28 jun 2017, 14h57 1) Em 28 de junho de 1969, por volta de 1h20 da manhã, o oficial Seymour Pine da Divisão de Moral Pública, junto de outros guardas disfarçados, invadiu o bar gay Stonewall Inn, localizado no bairro de Greenwich, Nova York. Prendeu diversos clientes, alegando “conduta imoral”, mas o objetivo real era coagir a comunidade LGBT. Batidas policiais em ambientes da comunidade eram frequentes, muitas vezes com demonstração de brutalidade e abuso de autoridade. 2) Desta vez, porém, as coisas não seguiram o roteiro habitual. Como o transporte dos presos demorou muito para ser efetuado, uma multidão de simpatizantes começou a crescer fora do local. Esse número só aumentou com o passar das horas, isolando a força policial dentro do bar. Estima-se que as autoridades ficaram mais de 45 minutos cercada, sem se mexer, com medo da represália. 3) Uma mulher algemada finalmente foi escoltada para fora, mas conseguiu se soltar e começou a incitar o público. Não deu outra: em poucos minutos de troca de insultos, o protesto contra a LGBTfobia policial se tornou violento, com confronto direto entre tiras e membros da comunidade LGBT. Foi necessária a chegada da Força de Polícia Tática de Nova York para ajudar os oficiais sitiados. 4) A multidão só foi totalmente dispersada às 4h. Porém, no dia seguinte, outras manifestações tomaram conta do local – e se espalharam por outros pontos da cidade. Os eventos que ocorreram no Stonewall Inn levaram às primeiras paradas de orgulho LGBT, como a marcha que aconteceu em 1970, do bairro Greenwich até o Central Park. A data foi considerada o marco zero pela luta por direitos civis das minorias LGBT e logo foi adotada em outros pontos do mundo. Junho também passou a ser considerado o Mês do Orgulho LGBT.

CADA COISA É UMA COISA Estas cinco características não estão necessariamente relacionadas 1) Identidade de gênero É o gênero com que a pessoa se identifica. Há quem se perceba como homem, como mulher, como ambos ou mesmo como nenhum dos dois gêneros: são os chamados não binários –Cisgênero: Identifica-se com o mesmo gênero que lhe foi dado no nascimento –Transexual e/ou transgênero: Identifica-se com um gênero diferente daquele que lhe foi dado no nascimento 2) Orientação sexual Depende do gênero pelo qual a pessoa desenvolve atração sexual e laços românticos: – Heterossexual: Por alguém de outro gênero –Homossexual: Por alguém do mesmo gênero –Bissexual: Por ambos (A assexualidade é a ausência de atração por todos os gêneros. Mas ainda não há consenso se ela é ou não uma orientação sexual) 3) Expressão (ou Performance) de Gênero Refere-se às maneiras que as pessoas usam para expressar seu gênero em sociedade, desde o uso de roupas e acessórios até detalhes físicos, como os gestos, as atitudes e o timbre da voz 4) Genitais – Vagina – Pênis – Ambos 5) Gênero Conjunto de características sociais e culturais ligadas às percepções de masculino e feminino FONTES Artigos Gênero, O Que É Isso?, de Maria Eunice Figueiredo Guedes, O Tráfico de Mulheres – Notas sobre a “Economia Política” do Sexo, de Gayle Rubin, livro Problemas de Gênero, de Judith Butler, e sites PLC122, Tansfeminismo e Brasil.gov.br

https://nacoesunidas.org/tema/lgbt/
http://socialgoodbrasil.org.br/2016/abc-lgbt