sábado, 29 de outubro de 2016

O Calendário da Cinthia: JUNHO

Clube Lunáticas por Romances, 2016.

Literalmente A Garota do calendário

Clube Lunáticas por Romance, Junho de 2016

Junho chegou com tudo. Mal tive tempo de me recompor de Vegas, já fui mandada para outro destino. Bem que a Fabi me disse, mas eu queria muito acreditar que não seria despachada logo no primeiro dia do mês.
Campinas era meu novo destino. A viagem de avião foi feita em exatos e cronometradas 14horas .O meu novo “par” ainda era segredo, mas foi bem generoso me pagando uma passagem de primeira classe.
As vacas da Thaise e da Carol não me deram nenhuma pista de quem é meu novo cliente. E se for um psicopata? Um sádico? Ou pior, e se for aquelas pessoas com gostos peculiares na hora do sexo?
Tudo por dinheiro, falta pouco, já estamos na metade garota. — Meu subconsciente me lembra.
Faço o check-out e pego a minha bagagem, que está muito mais recheada devido às roupas novas que ganhei em Barretos.
O celular vibra e vejo que recebi uma mensagem de texto. No mínimo os caras com quem tenho saído devem achar que não tenho dinheiro para comprar dados de internet. Ninguém manda whatsaap, só torpedo.
Pegue um taxi e peça para ele te deixar no hotel Lagoa Serena. Tem uma suíte reservada em seu nome. Tome banho e vista sua melhor lingerie. Assim que sair do trabalho me encontro com você. A.R.
Que porra é essa? A pessoa nem me buscar vem?
Digito uma mensagem no grupo de whats onde tem as duas cobras que me meteram nessa furada. Só não as chamo de santa, mas que usei todos os palavrões do meu vocabulário eu usei. E sem culpa.
Saio do saguão em direção onde ficam os taxis. Por sorte trouxe uma grana comigo.
—Bom dia, o senhor poderia me levar até este endereço? — Digo lendo o nome do hotel que a criatura me mandou via torpedo.
— É aqui pertinho, demora nem cinco minutinhos. — Responde já colocando minha bagagem no porta malas do carro amarelo.
Tomo o meu lugar no banco traseiro do carro e encosto a cabeça no vidro. Em poucos meses minha vida tomou um rumo completamente diferente de tudo aquilo que planejei.
Tá certo que conheci lugares e pessoas que jamais conheceria quando ainda estava com minha pacata vida... Mas sinto falta da minha liberdade...
— Moça quer que eu passe por alguns pontos turísticos próximos ao hotel? — O motorista diz me tirando dos meus devaneios.
— Eu adoraria, mas infelizmente estou com o dinheiro contado e se essa corrida ficar mais do que trinta reais vou ter que ficar te devendo. — Respondo com sinceridade.
Menos de três minutos depois ele para o carro em frente ao luxuoso flat hotel. Baixo meus óculos aviador para poder contemplar a beleza da fachada toda em tons quentes.
— Chegamos senhorita...
— Cinthia. — Falo estendendo a mão que ele gentilmente aperta.
— Está entregue ao seu destino. E eu me chamo Bernardo. Dá próxima vez que vir para Campinas me chame para fazermos um tour, fica pouco mais de trinta reais, mas garanto que não vai se arrepender. — Fala me entregando seu cartão.
É impressão minha ou esse senhor estava me cantando? Apesar que, em outras ocasiões ele faria bem meu tipo.
O mensageiro do hotel vem até onde estou e pega as minhas malas. Ele não aparenta ter mais do que vinte anos e percebo que ele ficou tempo demais observando as minhas pernas.
Não sei se sou mesmo bonita ou se esse trabalho esta fazendo meu ego dar uma inflada, mas estou me sentindo gostosa pra caralho com todo esse assédio.
— Você deve ser a senhorita Gutierrez. — Puxa assunto levando minha mala até o balcão para que eu fizesse o check in.
— Sim sou e você é?
— Jonas o carregador de malas. Mas só das oito as oito, depois sou apenas Jonas.
— Todos os homens de Campinas são assanhados assim?
— É que é raro ver uma mulher bonita na cidade. Ai quando aparece uma já sabe... O não a gente já tem, não custa nada tentar.
— Jonas volte para seu trabalho e leve a mala da senhorita Gutierrez até a suíte master. — Dita à senhora que está atrás do balcão. — Me desculpe senhorita Gutierrez...
— Cinthia. Pode me chamar apenas de Cinthia. — Interrompo-a.
— Está certo Cinthia. Peço desculpas pelo Jonas. Aqui está a sua chave. — Fala me entregando um cartão magnético. — Tenha uma boa estadia.
— Só por curiosidade dona Rute, — falo lendo seu crachá — você pode me dizer quem fez a minha reserva?
Ela dá um sorriso de canto de boca. Cara de sapeca querendo contar um segredo.
— Não posso dizer seu nome, pois senão ele me mata, mas posso adiantar que ele é um fotógrafo gostosão. Sem contar que é sócio do maior jornal da cidade e tem uns amigos que são uns pão. — Diz se abanando.
— Obrigada Rute, me ajudou muito. — Respondo rindo. — Já fico mais tranquila em saber que não vou me encontrar com um velhote barrigudo.
Viro as costas e vou sentido ao elevador.
— Qual andar? — Pergunta o ascensorista.
— O andar da suíte master por favor. — Respondo e tiro o celular da bolsa para mexer nas minhas redes sociais.
Viro o celular para o espelho para tirar uma selfie. Faço um bico — embora minha tia diz que fico parecendo um pato — mas velhos hábitos jamais mudam. Faço a foto e fico feliz com o resultado.
— Está linda. — O ascensorista finalmente fala.
— Eu sou linda meu bem. — Acaba saindo mais presunçoso do que imaginei. — Mas mesmo assim obrigada.
O elevador para e me deparo com um andar somente meu. As portas duplas do quarto em madeira de lei e as paredes pintadas em vermelho me fazem sentir a verdadeira Anastácia em frente à porta do quarto vermelho da dor do Christian Grey.
Passo a chave na porta e assim que as abro não consigo segurar um palavrão que insiste em sair. PUTA QUE PARIU.
A cama Queen size me convida a testá-la e como uma boa dama que sou não posso recusar seu convite. Corro em sua direção me jogando sobre ela.
Os lençóis de seda branca dão o contraste no quarto de cores quentes. Por incrível que pareça estou adorando tudo isso.
O celular toca e vejo que é o meu contratante quem me mandou um torpedo.
Espero que esteja bem instalada. Aproveite esse tempo sozinha e descanse. A.R.
Ui ele pensa que manda em mim. Fico tentada a responder seu torpedo, mas pretendo ganhar uns extras com esse mandão.
O relógio marca uma hora e me lembro que ainda não almocei. Ligo para o serviço de quarto e peço uma macarronada ao molho pesto, suco de laranja e de sobremesa sorvete de paçoca.
Delicio-me com meu banquete. O cansaço da viagem e a preguiça pós almoço se apoderam de mim e sou obrigada a fazer o que o A.R. seja lá quem for mandou. Deito para tirar um cochilo de dez minutos.
(XXX)
Sou despertada do meu sono de beleza por vozes e muito barulho. Achei que esse andar fosse só meu e do meu acompanhante.
Bocejo e coço os olhos com dificuldade para abri-los. A luz invade o quarto sem dó.
— Quem é o corno que acendeu essa bosta? — Falo com mal humor.
— Primeiro que para ser corno deve- se estar em um relacionamento, coisa que não tenho, e segundo que não estou pagando uma fortuna para você dormir o dia todo. Te mandei um torpedo pela manhã com as instruções e não era assim que eu deveria lhe encontrar senhorita Cinthia. — Diz uma voz rouca.
Sento na cama e ai olho melhor ao meu redor. Não estou com apenas um homem no quarto. Estou com oito!
— O que significa isso? — Pergunto ficando em pé. — Eu não fui contratada para fazer gang bang não. Orgia nem é minha praia.
— Meu amor, — o dono da voz rouca fala novamente — você foi contratada para fazer o que eu quiser. Acertei tudo com as Lunáticas e pode ter certeza que desembolsei uma grande quantia para lhe ter aqui hoje. Mas para lhe tranquilizar, você não terá que dar para todos nós, apenas se você quiser. — Ele ri acompanhado pelos demais.
— Poxa Adam, você falou que encontraríamos ela pronta pra nós e olha só como ela está — o moreno aponta pra mim — com a cara amassada e com uma roupa nada sexy.
— Mas eu comeria fácil, — fala o loiro de olhos claros — ela parece ser apetitosa. Essa boca carnuda faria um estrago...
— Meninos vamos nos comportar, assim vocês estão assustando a moça.
— Adam para de ser careta cara, ela sabe a que veio.
— E vocês também sabem a que ela veio. E não é para ser fodida por vocês. — Adam fala enfatizando cada palavra.
— Dá para vocês pararem de falar de mim como se eu fosse uma mercadoria? Adam é este o seu nome né? — Falo apontando para o homem branco de cabelos escuros e olhos azuis a minha frente — você pode por favor me explicar o que está acontecendo aqui?
— Tudo bem princesa, senta ai na cama que vou te explicar. — Adam fala enquanto os outros nos deixam as sós.
— Eu realmente não quero sair com todos vocês se é que me entende.
— E você não vai. Costumo dividir sempre com meus amigos, mas você será só minha. Se tem alguém que vai te saborear toda sou eu.
— Não tô entendendo mais nada. Se é você quem vai ficar comigo, o que esse monte de homem está fazendo aqui?
— Você será a garota do meu calendário.
— O que?
— Isso mesmo Cinthia. Eu sou o famoso fotógrafo Adam Rodrigues. Todo ano faço o calendário do ano seguinte com garotas assim como você. Quando falei com a Carol e solicitei uma garota ela logo me indicou você. O calendário que faço é somente para alguns amigos, portanto você não terá suas fotos divulgadas por ai.
— São fotos nuas? — Inquiro.
— Nú artístico. Mas cada mês é com uma fantasia diferente. Algo bem erótico...
— E o que esses homens fazem aqui então se você é o fotógrafo e eu a modelo?
— Eles serão modelos juntos com você.
— Nada de fotos sexuais né? — Pergunto para me certificar.
— Somente fotos sensuais.
— Acho que é melhor começarmos logo então.
— Sem pressa Cinthia. Quero que você vá tomar um banho e fique bem cheirosa pra mim. Faça uma maquiagem bem marcada que deixarei sua fantasia de janeiro em cima da cama.
Que homem é esse? Fantasia de janeiro?
Paro de questionar e vou logo tomar banho. A figura que olho no espelho é horrenda. Meu cabelo está uma bagunça só e o rímel fez um estrago em meu rosto.
A água morna arrepia minha pele. Não sei se é devido a temperatura ou a excitação de fazer algo novo e totalmente diferente do que tenho feito. Aliás, o que de normal tem sido esses meses?
Saio do banheiro e sobre a cama tem uma fantasia de doméstica. Olho para os lados para ter a certeza de que não tem nenhum engraçadinho me espionando.
Começo a vestir a minúscula calcinha e o vestido transparente em preto e branco. As meias 7/8 pretas sobem até o meio das minhas coxas. Sinto-me uma empregada pervertida e rio do meu pensamento. Pego o espanador e sigo até o anexo do quarto onde estão os meninos.
— Foi daqui que pediram uma empregada? — Falo com voz sedutora.
Sinto oito pares de olhos sobre mim e consigo sentir a corrente elétrica que eles mandam para meu corpo que se eriça todo.
— Puta que pariu que delicia de mulher. — Fala Renan. — Com uma empregada dessas eu pagava a diária duas vezes ao dia.
— Foco meninos. A Cinthia vai apenas fazer as fotos. — Adam fala tentando soar sincero, mas sua ereção é visível sob a calça.
— Você é um sem graça Adam, nunca vi você regulando mulher pra gente, agora fica to cheio de frescuras com essa ai. — Victor fala apontando para mim.
— Meninos — grito — eu fui contratada pelo Adam e ele me explicou o que vim fazer aqui. Não vão pensando que por trabalhar como acompanhante de luxo, sou uma prostituta barata. Ou faremos as fotos como o Adam falou ou eu arrumo as minhas coisas e taco o foda-se. — Sei que essa última parte é mentira, pois preciso muito da grana, mas como num jogo de truco, ganha quem blefa e eu arrisquei.
— Leonardo você será o primeiro. — Adam dita. — Vamos para a antessala fazer as fotos lá.
Sigo o Adam e o tal de Léo — como ele me pediu que o chamasse — até o cômodo do quarto o qual eu ainda não havia conhecido.
— Bem Cinthia quero que você faça poses bem sensuais. Entre no seu personagem e comece a limpar tudo o que quiser. Leonardo você entra depois e começa a contracenar com ela, enquanto isso eu vou fazendo as fotos. — Adam fala já posicionando seu equipamento.
Léo tira a camisa e seus músculos me deixam excitada. Fazer fotos assim era algo que eu jamais imaginaria que faria. E o melhor, ainda tem mais seis gatos no outro cômodo esperando para tirar fotos comigo.
A música da Lana Del Rey — Summertime Sadness — ecoa pela sala o que me deixa mais a vontade por ser A MINHA MÚSICA.
Começo a fazer meus movimentos ritmados com a música e os flashes da câmera me faz senti-se como uma verdadeira diva.
Léo se junta a mim e o clima esquenta. Ele se esfrega “acidentalmente” em mim todo o tempo e essa brincadeira está me deixando molhada.
— Quer beber algo Cinthia? — Pedro pergunta entrando na sala no momento em que estou de quatro fingindo limpar o chão.
— Algo quente, por favor. Digo, algo gelado. Uma Skol beats iria bem.
— Vou pedir na recepção. E só pra constar, você está um tesão nesta roupa. Não vejo a hora de chegar maio e você ser minha enfermeira safada. — Fala se retirando da sala.
Acabo as fotos com o Léo e é a vez do Renan. Minha fantasia agora é de bombeira e me seguro para não usar a mangueira do meu par. Puta homem gostoso.
Segue a sessão de fotos embaladas pelas músicas da Lana. Mês após mês eu encarno uma nova personagem.
Março sou uma noiva sexy, maio uma enfermeira pervertida, junho uma jogadora da seleção, julho uma colegial muito má. Em agosto sou uma advogada, setembro uma policial, outubro uma bailarina, novembro chega e as fotos com o Victor são feitas como Eva no paraíso.
As horas passaram tão depressa que nem me dei conta que passamos madrugada adentro bebendo e fotografando.
— Meninos eu estou muito cansada, será que não podemos fotografar dezembro mais tarde? — Pergunto bocejando.
— Claro princesa, embora a nossa vontade seja outra — Henrique fala olhando para os demais colegas — sei que o Adam não vai deixar a gente ficar.
— Sorte que sabem, agora se mandem daqui. — Adam fala indo em direção a porta e sendo seguido por todos, quer dizer, quase todos pois Victor fica no quarto comigo.
— Você sabe que é muito gostosa né? Pensa que não sei que estava morrendo de vontade de dar para todos nós. Sorte sua que o Adam é um bunda mole, senão já teríamos feito a festa com você. — Victor fala se aproximando de mim. — Vou ligar para as Lunáticas e solicitar os seus serviços, mas ao contrário desse panaca eu vou saber bem como usá-la. — Termina de falar lambendo meus lábios e saindo do quarto em seguida.
Corro para o banheiro tomar um banho e tirar toda a maquiagem pesada. A fantasia sai com facilidade e o efeito da bebida começa a querer passar. Olha só onde fui me meter? Ser tratada como um objeto nunca foi meu sonho — nem nos eróticos, diga- se de passagem — e agora me sinto como um animal de raça numa vitrine de pet shop.
Calma Cinthia, tudo pela Xena. Você é forte. Estamos na metade do ano. Os próximos clientes serão melhores. Pensamento positivo garota.
Saio do banheiro e não encontro o Adam. O silêncio dessa suíte chega a ser ensurdecedor. Deve ser a ressaca. Quem mandou beber tanto assim?
Olho o celular e vejo que tenho duas mensagens. Uma no grupo de whatsaap, das vacas querendo noticias — a qual nem respondo — e um torpedo do Adam.
Durma bem princesa. Á tarde estarei ai contigo. A.R.
Sem pensar duas vezes me jogo na cama. Fazer 11 meses em um dia só não é mole não. Esse contrato está me custando muito mais do que apenas um calendário.
(XXX)
Acordo com alguém batendo na porta. Caramba que ousa me acordar às — pego o celular para conferir as horas — uma da tarde! — Dou um pulo da cama e corro atender a porta.
— Boa tarde senhorita Gutierrez — Jonas fala todo animado ao ver que ainda estou de camisola — vim trazer o seu almoço.
— Coloque na mesa por favor... — Respondo ainda despertando.
— Parece que a noite foi boa né?
— Foi ótima! — Falo querendo cortar assunto.
— Adam sempre trás garotas aqui, mas nunca trouxe uma tão bonita quanto você...
— Jonas já pode sair tá? Não estou com saco para cantadas pela manhã.
— Mas já passam da uma...
— Para mim ainda é cedo, como você pode reparar ainda estou de pijama.
Que cara chato!
Espero ele sair e bato a porta com força. Minha cabeça lateja e sei que foi por causa das secret que tomei ontem.
Abro a bandeja que o Jonas deixou e o cheiro de abadejo grelhado na crosta de ervas finas invade o quarto. Meu estômago protesta e sem modos ataco o prato literalmente.
O petit gateau estava divino e finalizou com chave de ouro o meu almoço tardio.
Tiro a camisola e coloco o vestido azul de grife que o Beto me deu. Aquele viado sabe bem das coisas. O vestido tem um caimento perfeito em meu corpo. Como diz a Fabi, estou sexy sem ser vulgar.
Digito uma mensagem para o Adam que retorna quase que no mesmo instante.
Estou chegando. Fique linda pra mim. Peça um champanhe bem gelado que quero prová-lo juntamente com seu corpo. A.R.
Ui ui ui, faço o que ele me pediu e dou uma caprichada a mais nos cabelos e na maquiagem que hoje saiu sutil.
A champanhe chega num balde com gelo acompanhado de duas taças com a borda dourada.
Cara da riqueza benhê. Tiro várias fotos do quarto, da mesa, da champanhe importada e mando para o grupo de whats das vacas.
Eu nem sei por que chamo essas piranhas de vacas. É uma afronta as indefesas energúmenas sagradas na Índia.
Morram de inveja é a legenda que coloco e como sempre elas visualizam sem me dar uma resposta.
O perfume do Adam chega primeiro do que ele e pela minha experiência tenho certeza que ele usa Azzaro.
— Boa tarde princesa, sentiu a minha falta? — Diz assim que entra.
— Não sei, quem sabe? — Falo fingindo pouco caso.
— Eu sei que sentiu. Mas prometo te recompensar hoje. — A malicia na voz faz acender o que até então estava quietinho...
— Você sabe que relações sexuais têm o pagamento por fora né?
— Princesa a quantia que passei para o Lunáticas me dá direito de te foder o mês inteiro...
Que caralho, ele passou a grana para a minha tia e ela nem me falou nada.
— Te dou um real pelo seu pensamento. — Fala se aproximando de mim.
— Ah meu bem, esses valem muito mais do que um real. Mas te falo no 0800 mesmo. Estava pensando no quanto eu sou uma fodida...
— Somos Cinthia. Não sou muito diferente de você. Todos têm um segredo que revela muito sobre nós...
— Até o Adam Rodrigues tem segredos? — Falo inquisitiva. — Quer me contar?
— Se te contar não será mais um segredo e correrei o risco de você fugir daqui...
— Vamos tomar esse champanhe ou ficar aqui choramingando como se estivéssemos no muro das lamentações?
— Adorei a ideia.
Adam abre a garrafa com maestria e me serve com uma taça. O liquido borbulhante desce pela minha garganta me dando plena sensação de prazer.
— Aposto que Moët & Chandon fica muito melhor acompanhado de Cinthia Gutierrez.
Adam pega a minha mão e me leva até a cama. Com delicadeza retira meu vestido me deixando apenas de calcinha e sutiã.
— Você é tão linda Cinthia. Olha só como sua pele se ouriça toda pra mim...
Adam pega a champanhe e derrama um pouco sobre meu umbigo. O frio da bebida faz com que minha pele arrepie e meus seios fiquem duros.
Sua boca vem em direção ao meu corpo e o misto da bebida gelada com a boca quente me deixa louca.
— Eu sabia que seu gosto era bom Cinthia, só não imaginei que seria tanto...
Sua voz saia carregada de sensualidade. Ai meu Deus, que homem é esse?
Ele continua derramando a champanhe em mim e a tomando em seguida. Sinto que estou encharcada literalmente.
— Quero saborear a champanhe na parte mais gostosa do seu corpo... — Adam fala puxando lentamente a minha calcinha para baixo.
Já me livro do sutiã também para já adiantar o trabalho dele.
O champanhe desce pela parte do meu corpo que está pegando fogo. Que sensação boa. Ele dá uma assoprada e logo vai com a boca no ponto que estava implorando por isso.
— Ai Adam, isso é tão bom... — Gemo segurando em seus cabelos.
Ele é perfeito no que faz. Não é igual os demais que acham que existe um interruptor de liga e desliga e que isso que faz uma mulher sentir prazer.
— Agora é sua vez. — Adam fala se pondo em pé já se livrando das roupas.
Sem demora começo a chupá-lo com a mesma velocidade em que ele derrama a champanhe sobre seu membro.
É uma delicia esse misto de frio e calor.
— Cinthia Cinthia, um mês será muito pouco para fazer com você tudo o que tenho em mente...
— Aproveite o momento Adam. Temos mais 28 dias pela frente...
Ele me levanta e me joga novamente na cama, mas desta vez estou de bruços. Ele dá um sonoro tapa em minha bunda e leves mordidinhas.
— Vou entrar tão fundo em você e quero que goze chamando meu nome. — Dita sussurrando em meu ouvido.
Sou preenchida por ele que entra como falou. Fundo e forte.
Adam segura meus cabelos e com a outra mão segura em minha cintura marcando o ritmo de vai e vem perfeito.
— Adam eu vou...
— Ainda não Cinthia...
— Não consigo mais segurar... — Choramingo.
— Então me chame. Peça que eu lhe dou...
— Adam eu vou gozar... — Gemo sentindo os espasmos de um belo orgasmo.
— Isso princesa...
Ele goza e sai de dentro de mim. Eu acabo desmontando na cama.
— Não vai tomar banho? —Pergunta.
— Tenho que ir agora? — Respondo manhosa.
— Pode vir depois então. Vá pedindo o jantar para nós. Gosto de carne.
Sento na cama me recompondo do melhor sexo que fiz por esses dias. Ligo na recepção e peço duas picanhas grelhadas acompanhadas de arroz branco e batata.
Assim que Adam desocupa o banheiro eu entro. O banho me relaxa e me faz pensar que embora minha vida esteja fodida eu ainda tenho tempo de foder. E que fodas ando tendo...
Termino o banho optando por não secar o cabelo. Coloco apenas um shorts doll e vou até onde meu contratante está.
— Te dou um real pelos seus pensamentos. — Falo o imitando.
— Ah princesa esses nem por um milhão, mas diferente de você eu não irei lhe dizer...
— Eu vou ficar nesse hotel durante todo o contrato ou irei para a sua casa?
— Não posso te levar para minha casa. Rosa iria me encher de perguntas...
— Mamãe ciumenta?
— Rosa não é a minha mãe é a minha empregada, mas é como se fosse uma mãe.
— Entendi...
— Você não gostou do hotel?
— Claro que gostei. Só me sinto um pouco sozinha aqui...
— Posso pedir para os meninos revezarem para te entreter, o que acha?
Demoro um pouco para responder. O que ele está propondo? Que eu dê para um diferente a cada dia?
— Eles te pagarão um bom bônus... Victor está louco para te conhecer melhor...
Xena olha só a enrascada em que me meti por sua culpa...
— Eu aceito a companhia dos meninos, menos a desse Victor. Não fui com a cara dele e olha, ele te odeia tá, fica esperto.
Adam gargalha e eu acabo o acompanhando.
Nosso jantar chega e como o almoço estava delicioso. Ele me faz companhia até as dez e depois diz que tem que ir embora.
Não tenho o que reclamar, pelo menos ele está me respeitando e se mostrando ser um bom homem.
Coloco uma serie na TV e deito para descansar.
(XXX)
Minhas semanas em Campinas passam voando. Estar com os meninos tem me feito bem. Nem sempre rola sexo, mas só o fato de estar acompanhada todos os dias já me tira do tédio.
Algumas vezes tenho acordado sem me lembrar da noite anterior e me sentindo lesada. Preciso parar de beber um pouco...
Hoje é meu último dia aqui e já estou sentindo falta sem ao menos ter partido.
— O que é? Já está com saudades de mim? — Adam pergunta me abraçando por trás.
— Estou. Você foi uma boa companhia neste mês de inverno. Digamos que me aqueceu de uma forma boa.
— Quando quiser voltar será bem vinda.
— Claro que voltarei e da próxima vez não será devido um contrato...
Adam me vira de frente e beija a minha testa.
— Vamos? Tem um bom caminho a fazer até o aeroporto e se você se atrasar sua tia me mata. — Diz rindo.
— Tá me despachando é?
— Você já viu a clausula do contrato que fala sobre atrasos? É algo exorbitante.
— As vacas sendo vacas... — Sibilo.
E é ao som de Lana Dey Rey — Born to die — que faço o caminho no carro do Adam até o aeroporto. Vou curtindo a música da minha diva na maior tranquilidade, pois vai saber até quando vai durar a minha paz.
Estar cada mês com um cliente diferente é algo assustador a primeira impressão, mas tem me proporcionado conhecer outras pessoas e ampliar meus contatos.
— Chagamos.
— Então é aqui que nos despedimos? — Digo segurando o choro.
— É aqui que estamos nos dando um até breve. Não pense que me esqueci que você disse que voltaria.
Assinto com a cabeça porque sei que se falar vou chorar.
Entro no aeroporto e me dirijo ao guichê para fazer check in.
O celular vibra e vejo que é um whats da Thaise.
Seu próximo destino já está definido. O upgrade da sua passagem já foi acertado com a companhia aérea. Faça boa viagem baby.
É e lá vou eu para mais um destino inesperado.
Julho ai vou eu!